rss
email
twitter
facebook

terça-feira, 7 de julho de 2009

Autofagia


É nele que me consumo,
Neste prato de solidão,
Minguando com a Lua,
No assobio do ibijaú,
A buscar inspiração...

Abraço esse sumiço,
Até a alvorada chegar,
 E deixo de ser gente,
Fico de um jeito diferente,
Que nem consigo me enxergar!

Então, renasço como palavra,
Nas letras de amor ou dor,
Sem saber onde estou,
E muito menos quem sou,
Nem voltando a ser quem era,
Ainda que me olhe o leitor...


1 vozes:

Tainá disse...

"Então, renasço como palavra,
Nas letras de amor ou dor,
Sem saber onde estou,
E muito menos quem sou,
Nem voltando a ser quem era,
Ainda que me olhe o leitor..."
Escreveu para mim...

Postar um comentário